Moto: São Paulo a Campos do Jordão e Pico do Itapeva em Pindamonhagaba.

Junho de 2004 – Campos do Jordão e Pico do Itapeva em Pindamonhagaba. O desafio de ir a uma das cidades mais bonitas e elegantes do Brasil e a aventura de subir a 2.070 metros de altitude. Subir a Serra da Mantiqueira numa moto no trecho de São Paulo ao Pico do Itapeva (2.070m de altitude) passando por Campos do Jordão.

A ida pela Dutra foi tranquila apesar de sempre ter tráfego pesado. A volta foi pela Rod Ayrton Senna que é mais livre e bem mais larga, porém os postos de apoio são muito distantes um do outro. Quase 90km sem um posto de combustível.

Mapa

Campos do Jordão, a 178 km de São Paulo capital é um dos destinos obrigatórios para quem deseja curtir um friozinho, degustar o pinhão, uma boa cerveja bock, show gratuitos de qualidade e conhecer lugares realmente incríveis. No inverno a cidade que recebe cerca de 2.400 mil turistas por ano, recebe de uma só vez, num único feriado, cerca de 300 mil pessoas. Quem pensa que indo a Campos do Jordão vai fugir do estresse de engarrafamentos e filas pra quase tudo está enganado. Nessa época a cotidiana vida paulistana só muda de lugar. Hotéis lotados, filas para jantar, tomar uma cerveja ou um conhaque, para almoçar, para estacionar, para apreciar uma paisagem e paciência para comprar souvenires e entrar numa loja. Apesar de tudo, vale a pena ir lá, pois sempre cruzamos com gente bonita e bem vestida e com algumas celebridades. Mas algumas dicas são importantes: se você quer ir gastando pouco e livrar-se das filas e engarrafamentos deve ter, além de espírito de aventura, um bom plano de viagem. Dessa vez decidi ir de moto custom, modelo estradeira, daquelas bem ao estilo ‘Sem Destino’ (Harley Davidson) para passar um fim-de-semana.

Estava muito frio em Sampa e em Campos mais ainda. Munidos de uma reserva provisória (para ter pelo menos onde dormir) saímos de São Paulo, sábado, por volta das 11 horas da manhã. Nesse horário o tráfego na Dutra está mais calmo e o nevoeiro que ameaçava virar chuva já havia dissipado-se. Estrada mais calma, tempo limpo, mochila arrumada, devidamente agasalhados e com os equipamentos de segurança revisados, saímos.

A Rodovia Presidente Dutra tem tráfego pesado e perigoso, por isso toda atenção e prudência são necessárias. Dois pedágios depois, uns 20 km após Na altura do km 104 da Dutra, pouco depois de São José dos Campos saímos da estrada e pegado a Rodovia Carvalho Pinto. Começamos a subida. A estrada é toda boa e este horário estava tranqüilo. A subida da Serra da Mantiqueira estava parcialmente coberta por um nevoeiro fraco. A medida que subíamos as placas iam mostrando a altura: 900m, 1100m, 1300m,1400, 1500m 1700m. Junto com as placas o frio chegava e podia ser sentido nas coxas, única parte pouco protegida para o frio. A estrada vista de dentro de um carro é bonita, mas vista da paisagem percebida pela visão privilegiada que só a moto proporciona (180 graus para o piloto e 360 graus para o garupa) é indescritível. Além disso, a mudança de clima é percebida em toda a sua plenitude. Cai um grau e já começa a gelar alguma parte do corpo.

Hora do café. Paramos em Santo Antônio dos Pinhais, uma estância climática há menos de 15 km de Campos do Jordão paraumprovidencial chocolate quente. Paramos ainda em outros pontos da estrada para apreciar a subida. Chegando em Campos do Jordão era hora de confirmar o hotel e pesquisar uma pousada mais em conta. Nessa época a diária custa em média R$ 100,00 por pessoa. Conseguimos com a ajuda do pessoal do Hotel JB, na Vila de Capivari, uma pousadinha simples com diária para casal, com breakfast e estacionamento par a moto por noventa reais.

Problema resolvido, cuidamos de passear por Campos do Jordão. Visitas ao Baden Baden, ao Shopping Suisse, uma breve degustação nas maravilhosas lojas de chocolate e em seguida um bom gole de conhaque para poder encarar no frio de 9 graus a deliciosa cerveja Baden Baden, feita lá mesmo em Campos do Jordão. À medida que o frio avançava os eventos começavam a acontecer. Uma luva esquecida teve que ser comprada para enfrentar o frio. Nada complicado, pois nas barraquinhas de Campos do Jordão, em Capivari é possível comprar os acessórios que teimamos em esquecer. A noite cai, o frio aumenta e chega a 3 graus.

Após um desfile de moda inverno, decidimos que era hora de ir pra as cobertas. No dia seguinte, domingo, após o breakfast e uma breve consulta à meteorologia subimos mais ainda na Serra da Mantiqueira. Dessa vez o objetivo era conhecer os chalés, o esconderijo dos famosos, a cachoeira Chuva de Prata, um lago (a 2000m de altura) e o Pico do Itapeva que fica em Pindamonhangaba, município vizinho a Campos do Jordão. A 2.070 metros de altura e uma temperatura de 11 graus, foi possível ver cerca de sete cidades paulistas que ficam ao sopé da serra. Nenhuma palavra consegue descrever a sensação e o visual do lugar. As fotos ajudam, mas não conseguem passar tudo.

Meio-dia do domingo ! Depois de comprar uns souvenires nas barraquinhas da Cachoeira Chuva de Prata, voltamos com destino a arrumar a mochila e começar a descida para Sampa. Voltamos pela Rodovia Ayrton Senna. Viagem tranqüila. O tempo estava bom e quase nenhum trânsito. Valeu a aventura!

Se você é daqueles que curte um bom passeio, uma aventura planejada, pagando um preço justo essa é uma boa dica. Se um cearense agüenta esse frio para subir a até 2.070 metros numa motocicleta, com certeza, você também agüenta. Importante: nada de beber e pilotar moto. E mais: andem sempre muito bem equipados, você e o garupa.

Custos com a viagem casal: Distância percorrida – 440 km incluindo os passeios. Hospedagem – R$ 90,00 – www.hoteljb.com.br Hotel JB Av. Emílio Ribas, 946 – CapivariTel: (12) 3663 1755 Refeições – R$ 65,00 Combustível – R$ 36,00 Pedágio – R$ 0,00 (moto não paga pedágio). Fotos/revelação – R$ 0,00 (câmera digital). Total – R$ 191,00

Equipamentos necessários para a estrada: kit de ferramentas, barras de cereal e chocolates, água, kit de primeiros socorros, celular e carregador, equipamentos completo de proteção tais como: jaquetas e calças quentes, capacete, joelheiras e cotoveleiras, botas de cano alto com proteção ou com caneleiras por dentro, balaclava, tapador de ouvido, lâmpadas de reserva, óleo de motor de reserva. Para não sentir tanto frio, além de meias grossas, utilize, entre a meia e a bota, um saco plástico. Isso ajuda muito. Não esqueça de uma boa mochila e de uma pochete tamanho médio, dessas que se usa em trekking.

Importante: o sistema de socorro na Rodovia Presidente Dutra e na Rodovia Ayrton Senna têm um serviço 0800 e chegam rápido caso venha a precisar. Eles ajudam na parte médica, mecânica e até gasolina se precisar. Maiores informações: www.camposdojordao.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.