Motos investem em tecnologias verdes e ações de sustentabilidade

Fábricas do setor Duas Rodas desenvolvem ações ambientais e apresentam produtos ecológicos

A preocupação com a preservação da natureza vem crescendo ano após ano. Com a maioria de suas fábricas localizadas no PIM – Pólo Industrial de Manaus, e tendo como vizinha a Floresta Amazônica, as empresas associadas à Abraciclo, Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares, abraçaram a causa ambiental e têm investido em ações e produtos focados na sustentabilidade e preservação do Meio Ambiente.

A própria Abraciclo, consciente da necessidade de se disseminar a preservação ambiental, investiu em ações sustentáveis na 13ª edição do MotoCheck-Up, realizada durante a Semana Nacional de Trânsito. Ao invés de entregar um litro de óleo ao motociclista presente no evento, a entidade distribuiu um vale troca de óleo, garantindo assim que a reposição fosse feita em concessionárias autorizadas, evitando o despejo do óleo em ralos residenciais. Além disso, outros brindes seguiram o mesmo padrão ecológico, como sacolas recicláveis, que foram entregues aos participantes.

“Várias atitudes corriqueiras podem afetar o meio ambiente. Um litro de óleo descartado na rede de esgoto, por exemplo, contamina um milhão de litros de água. Distribuímos o vale buscando garantir que a troca fosse feita de forma correta, em locais que garantirão o despejo correto do material”, afirma Carlos Weiss, gerente da Abraciclo e organizador do evento.

Muito além da moto com motor flex

Fabricantes e seus Produtos

Na mesma linha, as montadoras – que já implantaram políticas de gestão e de proteção ambiental, com ações como estímulo ao uso racional de recursos naturais; controle de emissão de CO2; central de coleta seletiva; apoio à Associação dos Ceramistas do Estado do Amazonas; desligamento de bombas hidráulicas das injetoras de plástico durante os intervalos; redução da geração de resíduos no processo produtivo; plantio de árvores visando carboneutralização; entre outras ações – desenvolveram em 2010 veículos movidos a energia alternativa.

Além da moto com motor flex, desenvolvida apenas no Brasil e já presente em quatro versões no mercado, a grande novidade do setor em 2010 são os projetos de produção nacional de motocicletas elétricas – ação que recebeu investimentos da ordem de R$ 20 milhões e que deve empregar cerca de 150 profissionais.

No 1° Workshop Duas Rodas Abraciclo, realizado em novembro, o palestrante Ricardo Bock, coordenador do curso de Engenharia Automotiva da FEI, afirmou durante sua apresentação que a motocicleta elétrica é mais viável para o sistema brasileiro, do ponto de vista mecânico, do que o carro elétrico.

Ainda no encontro, Paulo Macedo, coordenador de Resíduos e Emissões do IBAMA, falou sobre as fases do PROMOT – Programa de Controle da Poluição do Ar por Motociclos e Veículos Similares – e parabenizou a indústria brasileira por ter conseguido adequar o veículo duas rodas às exigências atuais de emissões em um curto espaço de tempo, o que deixou a motocicleta igualada aos automóveis no quesito emissões.

Para alcançar os níveis exigidos pelo programa, as motocicletas receberam adaptações tecnológicas, com destaque para a implantação de injeção eletrônica em veículos de baixas cilindradas.

“A renovação tecnológica, diante das exigências do PROMOT, incentivam ainda mais a preocupação com a preservação do meio ambiente. O conceito de sustentabilidade está inserido no cotidiano das fabricantes do setor Duas Rodas, tanto em sua postura fabril como, agora, em seus produtos”, afirma Jaime Matsui, presidente da Abraciclo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.